Skip to content

Eu, O Popular e alguns ajustes

14/09/2009

O jornal O Popular sai hoje com uma matéria sobre as eleições na Internet na qual fui uma das principais fontes. A gente nunca sabe como vai ficar, depois de filtrada pelo jornalista, uma entrevista longa concedida por telefone. A repórter Núbia Lobo – que trabalhou comigo no Diário da Manhã – fez um bom trabalho, mas se confundiu em algumas partes que eu gostaria de esclarecer.

Em primeiro lugar a linguagem. Uma conversa por telefone é sempre eivada de termos coloquiais, expressivos e até, quando é o caso, alguns palavrões. Mas a transcrição destes termos, no contexto do assunto, deixa entrever certa informalidade um tanto inadequada. Parece que o entrevistado não tratou do tema com muito cuidado nem refletiu bastante sobre a questão. Não é o meu caso. A Internet é um tema relevante para mim há algum tempo. Na verdade, não apenas a Internet, mas toda a relação entre o homem e a tecnologia. Nota mental: cuidado com a linguagem quando falar a um jornalista por telefone!

Em segundo lugar, o conteúdo. Este trecho foi o que mais me preocupou, porque reuniu muita coisa ao mesmo tempo.

O problema está justamente na característica de liberdade de expressão da rede, onde não é possível o controle no fluxo de informações. “Um gráfico de dispersão de informações sobre a gripe suína e a morte do cantor Michael Jackson mostra que muitos posts começaram em páginas eletrônicas pessoais e, quando pegaram nódulos de entrocamento com grandes portais (como o Goiasnet, por exemplo), eles se dispersaram em uma velocidade muito maior”, informa Daniel. Ele lembra que já existem muitos publicitários que lidam com marketing pela internet. “Isso está assustando quem desconhece o assunto”.

O mapeamento ao qual eu me referia era algo assim.

Mapeando o Facebook

Ele mapeia as conexões entre os indivíduos numa rede social a partir de um ponto central (Ego), gerando um gráfico espacial das relações. Esse gráfico tem nódulos e entrocamentos – o Ego é claramente um entroncamento. Agora veja o gráfico de dispersão da SARS – poderia ser gripe suína, como eu sugeri – modelado com os mesmo princípios metodológicos.

Spread of contagions

Minha analogia era a de que a dispersão de informação numa rede social obedece a um padrão muito parecido com a dispersão de um vírus transmissível pelo ar, como a gripe suína. Como exemplo eu citei a morte do Michael Jackson – porque achei que seria mais fácil para o leitor sacar a comparação – cujo padrão de dispersão no Tweeter apresentaria um desenho similar a este da SARS. O objetivo era ilustrar a tese de que a informação, assim como a gripe, espalha-se por contágio sendo impossível prever que rumo ela via tomar, principalmente nas redes sociais. Por isso é bobagem querer policiar a Internet. Em momento algum eu disse que a notícia da morte do Michael Jackson começou em páginas de blogs para depois ganhar a mídia. Embora a maneira como uma informação vai de blog a blog não seja realmente tão diferente,  eu achei que o modo como a Núbia fraseou o raciocínio ficou meio confuso.

Outra parte  diz respeito aos grandes portais de mídia, como o Globo, Terra, Uol, etc. Eles são o que chamei de nódulos de entrocamento – e com fluxo denso -, ou seja, muita gente acessa o tempo todo. Quando uma informação migra dessas tracks vicinais para um nódulo deste tipo a dispersão dispara. Só o Uol, em agosto passado, obteve mais de 1,5 milhões de unique visitors. Ele seria o equivalente daqueles nódulos na imagem acima de onde saem uma penca de vetores com pontas verdes. Ou seja, se a informação chegar num destes portais sua dispersão cresce exponencialmente.

Outra coisa foi a idéia de que a legislação quer “agarrar” ou “atacar” os portais de notícias. A expressão é muito infeliz, embora eu a tenha usado, porque denota certo tom de desobediência civil. A lei quer normatizar e não “atacar” fulano ou sicrano. Leis não fulanizam, nem mesmo as piores. Eis o trecho:

”É um avanço no sentido de que os congressistas entenderam que as páginas eletrônicas pessoais não podem ser controladas, assim como as redes sociais. O que estão querendo agarrar são os grandes portais de informação na internet, embora o Parlamento ainda não saiba exatamente como fazê-lo. Mas, atacando os grandes conglomerados, que têm empresas reais e um braço na internet, o controle se torna possível já que a responsabilidade (por supostos abusos ou privilégios a determinado candidato) será do grupo proprietário daquele portal”, avalia Daniel Christino, mestre em Filosofia Política e professor da UFG.

A conversa se deu no contexto da efetivação da lei. A possibilidade de punição aos blogs individuais é muito pequena porque, caso a pessoa esteja empenhada no dolo, pode hospedar sua página num servidor da croácia ou mais longe. Na verdade não é difícil blogar anonimamente, como mostra este site. Essa estratégia simplesmente não está disponível para os portais de notícias porque eles são obrigados – por questõe técnicas, até – a manterem seus serividores no Brasil. Estes veículos já adotam, desde sempre, a mesma política de outros meios para a Internet, como é o caso do G1, da Globo, porque não podem e não querem privilegiar nenhum candidato, pelo menos não abertamente.

Para terminar estes dois trechos aqui:

Entretanto, Daniel não vê problemas em um portal ou jornal on-line assumir que apóia uma determinada candidatura. “Acho que não devia ter lei alguma para cobertura jornalística na internet. O veículo virtual poderia ser processado por publicar uma informação falsa, mas não por privilegiar algum candidato. O problema é que querem controlar a rede com uma noção estranha de igualdade de espaço. Não tem como medir isso na internet”, diz.

Para Daniel, é provável que os blogs e redes sociais – livres para dizerem o que quiserem – vão contaminar os grandes portais e jornais on-line. “Se um internauta fizer uma denúncia verídica contra um candidato no seu orkut ou twitter, isso pode tomar uma dimensão que obrigue até mesmo os veículos impressos a falarem sobre o assunto”.

Realmente, acho que os veículos de informação podem, como nos EUA, apoiar um ou outro candidato abertamente, assim como podem apoiar uma plataforma política ou ideológica ( o Wall Street Journal é de direita e o Guardian de esquerda). A coisa tem que ser honesta e o jornalismo deve manter a pluralidade. Mas quando digo que não deve haver lei nenhuma estou me referindo a uma lei que proíba a expressão e não que puna excessos. O problema com o projeto de lei do senador Azeredo, mesmo corrigido, é que ele não pretende apenas punir, mas determinar o que pode ser dito ou não. Esse é o problema. Quem melhor colocou a questão foi o Träsel.

Por fim a questão da contaminação. Bem, no contexto da conversa discutíamos o impacto das redes sociais e da Internet nas campanhas políticas. Eu disse que o impacto ainda seria pequeno, em parte por conta da amplitude da rede de blogs na Internet. Mas disse também que os políticos “morrem de medo” de perder o controle sobre a própria imagem e que este controle simplesmente não é possível na Internet. Assim, boa parte do caráter repressivo da lei espelhava essa angústia. Há casos bem documentados do uso de redes sociais em campanhas publicitárias que aumentaram a visibilidade de um produto antes restrito a um círculo pequeno de consumidores. Há mesmo um nome para isso Buzz Marketing ou o mais conhecido marketing viral. O caso mais recente é do filme District 9. Não vi estudos, mas a título de comparação, o falecido Audiogalaxy simplesmente ressucitou o gênero rock progressivo dos porões das gravadoras. E a campanha do Obama provou ser possível usar a Internet de modo inteligente numa eleição.

Como a lei irá operar é algo que nem mesmo a Justiça Eleitoral sabe direito. Será necessário ver o modo como os tribunais irão estabelecer uma jurisprudência para o assunto. Este ajuste fino acontecerá durante a eleição e pode, depois, complicar bastante a vida dos políticos.

É isso.

Anúncios
One Comment
  1. aroncoiote permalink

    vai confiar em jornaleiro pra falar de coisa difícil…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: